Notícias

10/11/2022

Superintendente executiva do Paranacidade destaca ferramentas e Projetos que melhoram a gestão pública, no 9º Seminário do DATAPROM

Paranacidade e o Apoio a Projetos de Desenvolvimento Urbano para a Agenda 2030, foi o tema selecionado pela superintendente executiva do Serviço Social Autônomo – Paranacidade -, Camila Mileke Scucato, exibido no 9º Simpósio DATAPROM, realizado em Foz do Iguaçu, nesta semana. Depois de apresentar o Paranacidade, vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas, Camila, mostrou  os Sistemas de Planejamento  e Gestão do Paranacidade, como SEDU/PARANACIDADE  Interativo; o Portal dos Municípios, o Sistema de Acompanhamento e Monitoramento de Ações Municipais (SAM). “São ferramentas que facilitam a vida dos gestores públicos, subsidiam a formulação e monitoramento de Políticas Públicas. Melhoram a capacidade de administração das esferas estadual e municipal. E, ainda, resultam em economia de tempo e aos cofres públicos”, destacou Camila.

A superintendente discorreu sobre o trabalho de apoio realizado pelo Paranacidade aos Municípios e, também, sobre o Sistema de Financiamento aos Municípios, para fortalecer a infraestrutura básica e social, promovendo o Desenvolvimento Municipal e Regional no Paraná. E citou o último recorde de R$ 420 milhões em contratações, nas mais diversas ações que beneficiam aos paranaenses, como preconiza a Agenda 2030 da ONU.

NOVIDADES - Nesse leque amplo de ações há pavimentações; a revitalização da Orla Marítima; Sistemas de Esgoto; Sistemas Fotovoltaico; Iluminação Pública; Barracões Industrial; Postos de Saúde; UPA’s; Escolas Municipais; Creches CEMEIs; e, ainda, a erradicação da pobreza e da fome, entre outras recomendações.  

Camila também adiantou as novas ações para 2023 e 2026, como o fomento à qualidade de Projetos, incorporando o conceito de Ruas Completas. “Nelas, há total atenção à acessibilidade, sustentabilidade, além de acompanhamento por indicadores de infraestrutura urbana. E, há o incentivo à construção e reforma de calçadas para torná-las acessíveis a todas as pessoas, em especial às com mobilidade reduzida. É preciso, também, cuidar de energias renováveis que possibilitem um Paraná mais solar, entre as cidades inteligentes”, enfatizou.

 

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.